EMUFRN sedia o II Encontro de Orquestras Sociais

No período entre os dias 03 e 07 de agosto, a Escola de Música da UFRN sedia o II Encontro de Orquestras Sociais. Os grupos, provenientes de diversas cidades do estado, são formados por projetos sociais de música, que atendem por crianças e jovens, desenvolvendo práticas musicais baseadas na construção coletiva de conhecimento. No cerne de uma orquestra social, os processos educativos privilegiam práticas de aprendizagem que se desenvolvem a partir da convivência e das práticas coletivas, em que são contemplados aspectos musicais, culturais e humanos.

Essa perspectiva artístico-social fomenta o desenvolvimento de relações de afeto, e portanto o senso de coletividade; o estímulo a processos criativos e imaginativos; a exacerbação da sensibilidade auditiva, e
assim a empatia através da escuta do outro.

Outrossim, a observação atenta dos cenários musicais e pedagógico-musicais no Rio Grande do Norte revela o crescente aumento no número de jovens instrumentistas formados através de Projetos Sociais, caracterizando estes locais como verdadeiros berçários musicais. Indo além dos benefícios sociais e educacionais, alimentam cursos técnicos, graduações e o próprio mercado da música, fazendo girar a estrutura da economia criativa.

Foto: Divulgação/EMUFRN

A programação do II Encontro de Orquestras Sociais prevê a realização de aulas de violino, viola, violoncelo, contrabaixo, percussão, trompete, trombone, trompa, saxofone, fagote, flauta e oboé, além de ensaios da Orquestra do Encontro, formada por todos os alunos, recitais dos projetos e um Concerto de Encerramento, com a grande Orquestra do Encontro, no dia 06, às 20h, no Auditório Onofre Lopes, na Escola de Música da UFRN.

Nesta segunda edição, estarão compartilhando vivencias, aprendizados e muita música a Orquestra Sinfônica de Luís Gomes, Orquestra D’Amore ( Projeto Tocando a Vida com D’Amore), a Orquestra Filarmônica Pauferrense, Orquestra Infanto-juvenil Oficina de Sonhos ( ONG Oficina de Sonhos), Orquestra Ondas Musicais ( Marinha) e Filarmônica 24 de Outubro de Cruzeta (Associação Musical e Cultural do RN – Cruzeta).

O II Encontro de Orquestras Sociais é uma ação do Programa Sinos – Funarte, da
Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Escola de Música da UFRN.

Confira o cronograma:

Filarmônica da UFRN vai realizar o Concerto “À Nordeste”

A Filarmônica UFRN realiza o Concerto “À Nordeste” no dia 16/07, sábado, às 18 horas, no Auditório Onofre Lopes, Escola de Música da UFRN. No programa, obras de Mario Tavares, Tonheca Dantas, Felinto Lúcio, Caio Facó e Cláudio Santoro, sob regência do Diretor Artístico André Muniz. A entrada é gratuita e as senhas poderão ser retiradas na Coordenação de Eventos da EMUFRN, a partir do dia 12/07, entre 9 e 16 horas. Este concerto especial antecede a viagem do grupo orquestral com destino à São Paulo, para realização de concertos na Sala São Paulo e em Capivari, durante a programação artística do 52º Festival de Inverno de Campos do Jordão, a convite da direção artística do Festival. 

Este é, sem dúvida, um momento ímpar na história da música no Rio Grande do Norte: um conjunto de jovens músicos, das mais diversas cidades do RN, muitos oriundos de projetos sociais, partilhando objetivos e trabalhando juntos, fazendo arte e celebrando a cultura nordestina, se apresentam na Sala São Paulo e no Festival de Campos do Jordão,  espaços que, para a Música Clássica no Brasil, são equiparáveis ao que representa o Maracanã no contexto do futebol.

Por Fábio Presgrave

Orquestra Filarmônica da UFRN vai fazer história ao se apresentar na Sala São Paulo e no Festival de Campos do Jordão

Nos dias 23 e 24 de Julho deste ano, a Orquestra Filarmônica da UFRN marcará mais um fato histórico para a música no Rio Grande do Norte e se apresentará na Sala São Paulo e no Festival de Campos do Jordão. A Sala São Paulo é o Maracanã da Música Clássica no Brasil. Pensemos que para o América ou ABC atuarem no Maracanã os times precisam estar nas primeiras divisões do brasileiro ou participarem de torneio nacional ou internacional. Tocar em Campos e na Sala São Paulo tem o mesmo significado, um carimbo que avaliza a qualidade do trabalho.

O Festival de Campos do Jordão foi criado há 52 anos pelo maestro cearense Eleazar de Carvalho nos moldes do Festival de Tanglewood nos Estados Unidos. Desde então tem sido a meca da música de concerto para artistas da América Latina e palco para apresentação de grandes mestres da música.

Os célebres concertos na Praça do Capivari e no Teatro Cláudio Santoro movimentam a música brasileira. A estátua do Maestro Eleazar se localiza na entrada na Sala São Paulo pela importância que ele teve na Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, sem ele a orquestra não teria a importância internacional que hoje tem.

Uma lembrança importante para o público potiguar é a conexão entre o Maestro Eleazar e o grande Aldo Parisot, os dois tiveram uma parceria artística espetacular em palcos na América do Norte e da Europa.

Ensaio da Orquestra Filarmônica da UFRN para a Sala São Paulo – Foto: EMUFRN/Lucas Góis

A versão atual da Orquestra Filarmônica da UFRN começou suas atividades há 10 anos em um esforço conjunto de corpo docente, administração da Escola de Música da UFRN, da Reitoria da UFRN além de parceiros como SESC-RN, DAAD e Hospital do Coração que apoiaram a orquestra em diferentes momentos dessa década.

A Filarmônica da UFRN já se apresentou em locais de grande importância como o Vaticano na Audiência Papal, na sala Palestrina da Embaixada Brasileira em Roma, e em Karlsruhe na Alemanha onde a criteriosa crítica do Badische Neuste Nachrichten evidenciou a qualidade do ensemble e o estilo de regência do Maestro André Muniz.

Ex-integrantes da orquestra continuaram seus estudos em centros de referência como: Academia Sibelius (Finlândia), MusikhochSchule de Karlsruhe (Alemanha), Ècole Normale de Paris e no Conservatório de Berna na Suíça. Alunos da Filarmônica hoje integram orquestras como Orquestra Sinfônica Nacional da UFF, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, Orquestra Filarmônica de Goiás, Orquestra do Theatro da Paz em Belém dentre outras.

Os convites da Direção Artística do Festival de Inverno de Campos do Jordão e Fundação OSESP trazem muita felicidade e orgulho para a Universidade Federal do Rio Grande do Norte e para a música portiguar.

As informação são do Portal Típico Local