EMUFRN explora o cinestésico de corpo e voz

EMUFRN explora o cinestésico de corpo e voz

Ana Beatriz Vilar de Agecom/UFRN

A Escola de Música da UFRN (EMUFRN) realiza, na próxima sexta-feira, 29, a ação Masterclass Cantos Populares para destacar a relação corpo e voz com a intérprete e educadora vocal Fabiana Cozza (SP), que, há 22 anos, estuda voz e canto. Na oportunidade, Cozza conduzirá ações que destacam a relação corpo-vocalidade, além de trabalhar o canto coletivo numa perspectiva que enfatiza as dimensões do canto afro-brasileiro, seu saber-na-prática, o canto-resposta e a importância do uníssono sob uma ótica musical decolonial e afrodiaspórica.

Fabiana Cozza, instrutora de Masterclass Cantos Populares. Foto: José de Holanda

Ao contrário da aula de canto tradicional, com a figura do professor de canto, o piano e uma sequência de exercícios vocais, a ação promovida pela EMUFRN busca com uso da musicalidade do movimento e do canto o desenvolvimento da memória cinestésica. A conexão entre corpo e mente proporciona  aos musicistas, cantores e compositores a capacidade de  identificar, captar, assimilar e transformar os aspectos relacionados com a música como ritmo, som e timbre.

De acordo com a pesquisadora Fabiana Cozza (SP), a voz ou a construção de uma voz é maior do que apenas o ato de falar, por isso o trabalho do intérprete não poderia estar apenas no conhecimento da anatomia das pregas vocais. Cantando e ouvindo juntos, por meio da prática do canto-resposta, os participantes da oficina trocam percepções sobre música em  um tipo de canto coletivo no qual uma voz “chama” a resposta das outras vozes. Ou seja, uma voz entra com o tema inicial e é seguida pouco tempo depois por uma resposta das outras vozes.

A presença do canto afro-brasileiro no workshop marca não só a essência e a herança de Fabiana, mas também do coordenador do evento, Ricardo Alexandre de Freitas Lima, musicista e professor de história e canto popular da EMUFRN. As práticas e análises do professor sobre o canto popular enfatizam a utilização da semiótica da canção, as gestualidades vocais e as vocalidades, além da história da canção popular, para compor um arranjo pautado pela abordagem cancional.

Cozza ainda diz que Corpo da Voz, nome da prática utilizada na oficina, é uma experiência de propriocepção a partir de jogos e exercícios que exploram aquecimento corporal/vocal,  respiração, consonância música, articulação, ressonância, repertório, imaginação, criação e interpretação. Os trabalhos começarão às 13h30 e se encerram às 16h. Fabiana Cozza vai participar de forma remota, pois Corpo da voz está presente em outras instituições de ensino musical além da EMUFRN. Discentes, servidores técnico-administrativos, docentes, musicistas, cantores, compositores, ouvintes, estudantes interessados em conhecer mais sobre o canto coletivo e a comunidade acadêmica em geral devem realizar a inscrição diretamente no Sigaa.

compartilhe essa notícia:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print