EMUFRN realiza Encontro de Trombonistas do RN

Ana Lourdes Bal de Agecom/UFRN

A Escola de Música da UFRN (EMUFRN) realizará o 9° Encontro de Trombonistas do Rio Grande do Norte entre os dias 24 e 30 de abril, em Natal e Mossoró. O evento, que abrirá inscrições, é destinado a trombonistas iniciantes, intermediários e profissionais. A realização é da Associação de Trombonistas do Rio Grande do Norte, em conjunto com a Pró-Reitoria de Extensão (Proex), a EMUFRN, a UERN e o Projeto Som da Mata. 

A primeira edição do evento aconteceu em 2013 e ganhou visibilidade ao longo dos anos dentro do estado. O intuito é levar a música de concerto e shows populares instrumentais a toda a comunidade, fazendo parte do calendário acadêmico da EMUFRN. Nos últimos dois anos, o evento foi realizado de forma remota por conta da pandemia da covid-19, tendo agora o retorno como uma chance de ter uma integração cultural, dando oportunidade aos músicos de outros lugares do estado de participarem.

“Este evento será de grande importância para a cidade de Mossoró, não apenas para atender aos músicos daquela região, mas também com o objetivo de trazer as pessoas a se aproximarem e apreciarem de maneira efetiva do trabalho que realizado de música instrumental em especial com Trombones, em todo estado do Rio Grande do Norte”, afirma o professor Gilvando, coordenador geral do Encontro, que conta com a colaboração do coordenador pedagógico Bruno Farias.

A abertura do evento será um concerto do Projeto Som da Mata, em Natal. Depois o Encontro viaja para Mossoró, prosseguindo nos dias 28 a 30 de abril, na Escola de Música D’Alva Stella Nogueira Freire, da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN). Nesses dias será oferecida a oportunidade de participação em masterclassesworkshops, palestras, roda de conversas, concertos e shows. 

Dentre os professores convidados para o evento, estão Alessandra Linhares (Natal – RN), Neris Rodrigues (Recife – PE), Rômulo Santiago (Fortaleza – CE), Gilberto Cabral (Natal – RN), Pedro Augusto (Natal – RN), Bruno Farias (Mossoró – RN), Anderson Jardel (Natal – RN), Dany Dantas (Mossoró – RN), Klenio Barros (Aveiro – Portugal). As inscrições ficarão abertas do dia 10 até 23 de abril nesta página.

Confira a programação:

Domingo (24/04) – Natal

16h às 17h30 – Abertura do 9° Encontro de Trombonistas do RN – Local: Parque das Dunas

Quinta-feira (28/04) – Mossoró

8h a 9h30 – Aquecimento/Prática de Conjunto, com Alessandra Linhares

10h a 11h30 – Prática de Conjunto, com Rômulo Santiago

14h a 15h30 – Saúde mental pós-pandemia, com psicóloga

16h a 17h30 – Prática de Conjunto, com Anderson Jardel

19h30 – Práticas de Conjunto de trompa, tuba e bombardino, com PotiBones

Sexta-feira (29/04) – Mossoró

8h a 9h30 – Aquecimento/Prática de Conjunto, com Neris Rodrigues

10h a 11h30 – Empreendedorismo Musical, com Dany Dantas

14h a 15h30 – Roda de conversa sobre Vivências Profissionais

16h a 17h30 – Prática de Conjunto, com Gilberto Cabral

19h30 – Práticas de Conjunto de trompete e trombone, com Sexteto Potiguar

Sábado (30/04) – Mossoró

9h30 – Ensaio Coral de Trombones

10h30 – Assembleia da ATRN

17h – Encerramento com o Coral de Trombones – Local: Parque Municipal

EMUFRN explora o cinestésico de corpo e voz

Ana Beatriz Vilar de Agecom/UFRN

A Escola de Música da UFRN (EMUFRN) realiza, na próxima sexta-feira, 29, a ação Masterclass Cantos Populares para destacar a relação corpo e voz com a intérprete e educadora vocal Fabiana Cozza (SP), que, há 22 anos, estuda voz e canto. Na oportunidade, Cozza conduzirá ações que destacam a relação corpo-vocalidade, além de trabalhar o canto coletivo numa perspectiva que enfatiza as dimensões do canto afro-brasileiro, seu saber-na-prática, o canto-resposta e a importância do uníssono sob uma ótica musical decolonial e afrodiaspórica.

Fabiana Cozza, instrutora de Masterclass Cantos Populares. Foto: José de Holanda

Ao contrário da aula de canto tradicional, com a figura do professor de canto, o piano e uma sequência de exercícios vocais, a ação promovida pela EMUFRN busca com uso da musicalidade do movimento e do canto o desenvolvimento da memória cinestésica. A conexão entre corpo e mente proporciona  aos musicistas, cantores e compositores a capacidade de  identificar, captar, assimilar e transformar os aspectos relacionados com a música como ritmo, som e timbre.

De acordo com a pesquisadora Fabiana Cozza (SP), a voz ou a construção de uma voz é maior do que apenas o ato de falar, por isso o trabalho do intérprete não poderia estar apenas no conhecimento da anatomia das pregas vocais. Cantando e ouvindo juntos, por meio da prática do canto-resposta, os participantes da oficina trocam percepções sobre música em  um tipo de canto coletivo no qual uma voz “chama” a resposta das outras vozes. Ou seja, uma voz entra com o tema inicial e é seguida pouco tempo depois por uma resposta das outras vozes.

A presença do canto afro-brasileiro no workshop marca não só a essência e a herança de Fabiana, mas também do coordenador do evento, Ricardo Alexandre de Freitas Lima, musicista e professor de história e canto popular da EMUFRN. As práticas e análises do professor sobre o canto popular enfatizam a utilização da semiótica da canção, as gestualidades vocais e as vocalidades, além da história da canção popular, para compor um arranjo pautado pela abordagem cancional.

Cozza ainda diz que Corpo da Voz, nome da prática utilizada na oficina, é uma experiência de propriocepção a partir de jogos e exercícios que exploram aquecimento corporal/vocal,  respiração, consonância música, articulação, ressonância, repertório, imaginação, criação e interpretação. Os trabalhos começarão às 13h30 e se encerram às 16h. Fabiana Cozza vai participar de forma remota, pois Corpo da voz está presente em outras instituições de ensino musical além da EMUFRN. Discentes, servidores técnico-administrativos, docentes, musicistas, cantores, compositores, ouvintes, estudantes interessados em conhecer mais sobre o canto coletivo e a comunidade acadêmica em geral devem realizar a inscrição diretamente no Sigaa.

EMUFRN realiza encontro de música e inclusão

https://ufrn.br/imprensa/eventos/57713/emufrn-realiza-encontro-de-musica-e-inclusao

A música é capaz de estimular o desenvolvimento social e cultural das pessoas e pode ser uma ferramenta de auxílio no desenvolvimento psicológico e motor para a educação inclusiva. Com o intuito de discutir e ampliar as discussões na área, a Escola de Música da UFRN (EMUFRN) está com submissões abertas de trabalhos para o 9º Encontro sobre Música e Inclusão (EMI). O prazo vai até o dia 29 de maio. Neste ano, o evento adotou como tema Conectando conhecimento e boas práticas em Inclusão e Acessibilidade.

O EMI é um espaço para colocar as questões frente às particularidades das áreas da Educação Musical, é o que afirma David Barbalho, servidor administrativo e coordenador adjunto do evento. “Sabemos da necessidade de ampliar e fortalecer as discussões acerca da inclusão e acessibilidade para as pessoas com deficiência e necessidades específicas, bem como aprimorar as práticas, ações e recursos voltados a esse público, de modo a garantir condições plenas para o desenvolvimento de suas atividades e também no processo de ensino-aprendizagem”, explica.

Serão seis sessões temáticas para discutir o tema geral do evento: Inclusão das pessoas com deficiência: marcos regulatórios e políticas públicas direcionadas ao campo da educação musical; Práticas, recursos e tecnologias na Educação Inclusiva; Inclusão em contextos de ensino de música; Pessoas com deficiência, diversidade e interseccionalidadeInclusão e Acessibilidade nos contextos não presenciais de Ensino; Demandas e desafios para uma educação musical inclusiva.

A submissão de trabalhos para o evento, que será realizado virtualmente entre os dias 26 e 29 de julho deste ano, pode ser realizada pela Plataforma dos Anais do Encontro sobre Música e Inclusão. Serão aceitos trabalhos nas modalidades Comunicação oral, Pôster científico e Relato de experiência. Os aprovados, além de apresentados no EMI, serão publicados nos Anais do Encontro sobre Música e Inclusão. Os dez trabalhos na modalidade Comunicação Oral que receberem maior pontuação na avaliação por pares serão compilados e publicados como capítulos de um livro digital com um Padrão Internacional de Numeração de Livro (ISBN), organizado pela EMUFRN/SEMBRAIN/BPJD, com lançamento previsto para o primeiro semestre de 2023. Para saber mais, acesse o edital.