EMUFRN sediará o VI Encontro sobre Música e Inclusão

O Encontro sobre Ensino de Música para Pessoas com Deficiência Visual (EMDV) reúne anualmente pesquisadores, acadêmicos e profissionais das áreas da Educação Musical Especial e Inclusiva e de Tecnologia Assistiva. O Evento objetiva provocar entre os seus participantes reflexões e ações que possibilitem a inclusão social das pessoas com deficiência e outras necessidades específicas em seus mais diversos contextos: educacional, artístico, comunicacional e tecnológico. A atual edição aborda especificamente a inclusão desse público no mercado de trabalho, trazendo como tema “Música, Deficiência e Mercado de Trabalho”.

Embora já houvesse nas edições anteriores do Evento a preocupação em discutir o processo de inclusão de pessoas com deficiência – indo além da deficiência visual – a sua sexta edição, que ocorre em 2018, reflete esse aspecto em seu título: “Encontro sobre Música e Inclusão” (EMI). Dessa forma, incorporam-se a esse momento as atividades e reflexões anteriormente abarcadas com a realização do “Seminário de Música e Inclusão”. Tal mudança visa promover uma discussão ainda mais integrada quanto aos desafios e nuances da inclusão de pessoas com deficiência na educação musical.

Debater o assunto é relevante para as discussões na área da inclusão e se coloca como plano de fundo ao cenário do ensino de música inclusiva. Embora haja legislação voltada pra inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho (Leis n. 8.213 de 24 de julho de 1991 e 13.146, de 6 de julho de 2015), o cenário brasileiro é desafiador. Dados do Ministério do Trabalho apontam para a inserção de apenas 0,95% das pessoas com deficiência no mercado de trabalho formal no ano de 2017. Desse público restrito, aproximadamente 21% se insere no ensino superior (RAIS, 2017). Esse cenário nos direciona para alguns questionamos: como estamos incluindo? Para quê estamos incluindo? Para qual mercado? Quais saberes são necessários para o acesso ao mercado de trabalho? Como as empresas e instituições tem se comportado em relação à acessibilidade no ambiente de trabalho?

Diversos fatores compõem esse cenário, tais como: barreiras atitudinais; educação e qualificação profissional; papel da família; despreparo das empresas; e acessibilidade e adaptação do ambiente de trabalho (NEVES-SILVA; PRAIS; SILVEIRA, 2015). A complexidade desse cenário requer a construção de espaços de discussão que envolvam os diversos atores sociais – pessoas com deficiência, educadores, empresas e setor público. Esperamos que a realização do EMI contribua com essa integração e com o contínuo e crescente processo de inclusão.

O Encontro é uma realização da Escola de Música da UFRN – Setor de Musicografia Braille e Apoio à Inclusão (SEMBRAIN) com a parceria da Comissão Permanente aos Alunos com Necessidades Educacionais Especiais (CAENE).